segunda-feira, novembro 21, 2011

TECEDEIRA

Tecedeira d'olhos pretos,
Não me sais do pensamento,
Pois teceste os meus afectos
Urdindo no meu tormento.


O tear tece os fiados,
O amor tece saudades,
Os zelos tecem cuidados,
Tece a traição falsidades.


A alma tece a esperança
No tear do coração:
E o desejo não se cansa,
Tece e fia com paixão.


Na teia da desventura
Há trama do bem querer;
Por isso tem tanta dura
Que se não pode romper!


Lançadeira vai e vem
Larga o fio no tear;
Meu peito pulsa também;
Mas não deixa o seu penar.


Que teia fina e garrida,
Que fino e rico brocado,
Se ela fora entretecida
Com teu cabelo doirado!


Um lençol quero na morte
Tecido por tua mão;
Quem me mata d'esta sorte
Que amortalhe o coração!


Oliveira Simões

3 Comments:

Blogger Vivian said...

Olá,Manuel!!

Que poesia linda!!!E nos teares,vamos tecendo a vida!
Beijos!
Tudo de bom!

4:13 da tarde  
Blogger Alma Mateos Taborda said...

Bellos e impecables versos. Es un deleite leerte. Me ha fascinado.

9:16 da tarde  
Blogger sandrafofinha said...

Lindo lindo lindo!! Adorei esta poesia maravilhosa!! Beijinhos fofinhos,fiquei fascinada com a beleza desta poesia!!

7:24 da manhã  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home