quarta-feira, julho 15, 2015

PREÂMBULO

Galopam cavalos
por dentro do sangue
     
Em dunas resvalam
a boca e as mãos
     
Crisparam-se as pálperas
Os dedos se inflamam
    
ao mais leve toque
na tua garganta
     
assim que de costas
te deito na cama
     
   David Mourão Ferreira

5 Comments:

Blogger Graça Pires said...

Uma sensualidade contida neste belíssimo poema de David Mourão Ferreira. Foi bom lê-lo aqui.
Um beijo.

1:05 da tarde  
Blogger MEU DOCE AMOR said...

São assim os cavalos?

Beijinho doce

4:33 da tarde  
Blogger CÉU said...

Um dos poetas que melhor "cantou" o amor no século XX, em minha opinião.
Metáfora, sob a forma de desejo "animal", de alto a baixo.
Bom fim de semana e felicidades, Manuel.

2:10 da tarde  
Blogger Franziska said...

Es una hermosa metáfora el galopar de los caballos, la pasión es así posesiva y ardiente. Franziska

6:04 da tarde  
Blogger anA said...

Mais um belo poema do David.
Estive por aqui e li.

Sucessos!

12:45 da manhã  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home