quinta-feira, julho 02, 2015

AS DUAS AVES

Porque, dizem, uma ave, em a cegando,
Canta mais e melhor,
A um rouxinol os olhos foi tirando
Cacilda, sem horror.

E a voz da ave foi, depois subindo
Em sentimento... oh ! sim...
Quanto mais cego mais e vai sentindo...
Sei-o também por mim...

De Campoamor

11 Comments:

Blogger Marineide Dan Ribeiro said...

Muito grata pela visita!
Um grande abraço!

12:21 da manhã  
Blogger Graça Pires said...

As aves cantando de dor... Tão belo!
Beijo.

1:20 da tarde  
Blogger © Piedade Araújo Sol said...

muito sofrido...
:(

1:54 da tarde  
Blogger CÉU said...

Olá, meu querido amigo Manuel!

As "meninas" aves foram, são e serão umas marotas, isso é k é verdade.
Pobrezinhos dos "meninos" rouxinóis e similares! Esta avezinha, Cacilda (este nome não me soa), tinha k se lhe dissesse, tinha, tinha (espero k seja já passado).
Infelizmente, digo eu, não ficam só cegos os "mocinhos" rouxinóis, ficam também os homens qdo acreditam no amor de uma mulher, que tanto representou para eles (quero, gostaria k fosse já pretérito).

Qdo disse, ontem, "namoro", mas no MEU blogue, NÃO no seu, estava a brincar com a situação, pke namorar é partilhar, é estar por perto, é abraçar, é beijar, é zangar, é fazer as pazes, é enlaçar e nisso estou, inteiramente, de acordo consigo, embora eu saiba, aliás, todos sabemos, k há namoros virtuais, k correm mto melhor k os reais. Bem, isso compreende-se, pke não se conhecem, portanto, é tudo um mar de rosas ou cravos, falsamente colorido.

Uma feliz tarde. Então, e o tempo por aí?

Beijinhos com mta amizade.

2:58 da tarde  
Blogger MEU DOCE AMOR said...

Olá:

Cantará melhor?

Beijinho doce

4:00 da tarde  
Blogger Franziska said...

¿Cantará o será su modo de quejarse? ¿Cuál fue la primera vez que un ser humano sintió algo tan hondo que tuvo que gritar con desconsuelo? Y con entró en una pena tan honda que no podía dominarla, comenzó a narrarse a sí mismo lo que sentía. Hombre o mujer, nunca lo sabremos. Tampoco ese ser supo que había encontrado una "salida" a sus penas.
Como digo, casi siempre, es solo una opinión.

9:58 da tarde  
Blogger Vera Lúcia said...


Olá Manuel,

O poema revela dor, desalento, melancolia.
Gostei muito. Lindo e expressivo.

Grata pela visita.

Abraço.

5:07 da manhã  
Blogger CÉU said...

Olá, querido amigo Manuel!

Bom dia e que viva a vida!

Dia feliz.

Beijinho com estima.

11:41 da manhã  
Blogger CÉU said...

Olá, eu de novo!

Agradeço a sua visita e simpáticas palavras, mas há uma k predomina, sempre: FELICIDADE.
É dela k todos precisamos. Para si, muita!

Bom fim de semana, k dizem vai ser quente.

Beijinho com estima e apreço.

PS: ainda não escrevi nada para publicar no meu blogue, nem faço a mínima ideia, e depois há já pessoal de férias. Enfim, sinto k o poema "Céus" ainda não está gasto. Vamos ver!

9:29 da tarde  
Blogger Carmem Grinheiro said...

Olá, Manuel.
Quantas vezes canta-se... para não chorar.

abç amg

3:49 da tarde  
Blogger sonia a. mascaro said...

Tão triste esta poesia...
Abraços.

10:03 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home