sexta-feira, agosto 01, 2014

SONETO

Estende o manto, estende, ó noite escura,
Enluta de horror feio o alegre prado;
Molda-o bem co pesar dum desgraçado,
A quem nem feições lembram de ventura.

Nubla as estrelas, céu! que esta amargura,
Em que se agora ceva o meu cuidado,
Gostará de ver tudo assim trajado
Da negra cor da minha desventura.

Ronquem roucos trovões, rasguem-se os ares,
Rebente o mar em vão n'ocos rochedos,
Solte-se o céu em grossas lanças de água!

Consolar-me só podem já pesares:
Quero nutrir-me de arriscados medos,
Quero saciar de mágoa a minha mágoa.

Padre Francisco Manuel do Nascimento
(Filinto Elísio)
1734-1819

3 Comments:

Blogger Maria Rodrigues said...

Quantas vezes necessitamos saciar as nossas magoas.
Excelente escolha, belissimo poema.
Um abraço
Maria

2:57 da tarde  
Blogger ⊰✿⊱France ⊰✿⊱ said...

Je viens te dire bonjour et j'espère que tout se passe bien pour toi
bisous

2:59 da tarde  
Blogger ツ ✽ ღ Nancy ღ ✽ ツ said...

✿ ✿ Oh ! C'est très BEAU !!!

Je t'embrasse fort !!! !!!! 。♡♡彡
Bon début de semaine !!!!
☆ ★ ☆

11:05 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home