domingo, junho 01, 2014

ESTE RIO DE VERÃO

Este rio de verão, esta paz, este rio,
A tristeza de ser quem em mim não conheço,
Este alheio seguir sobre o gume do fio,
Este alheio acordar sob o molde de gesso.
Esta vã solução de dizer «obrigada|»
Ao que passa e não vê, ao que volta e não vem,
Este dedo de Deus que se aponta à errada
Lucidez da mulher que de mim é ninguém.
Como drama que espera o chegar do Actor
E de gritos, no Ar, enche a tarde de dó,
Eu me espero, me espero, entre o Amor e o Terror.
Sobe o pano. E o deserto é de mosto e sol-posto
E onde estou é no sangue. E onde vou é no pé.
Natercia Freire

5 Comments:

Blogger redonda said...

Vim retribuir a visita e fiquei a ler. Gostei.
um beijinho
Gábi

12:36 da manhã  
Blogger Rosa Carioca said...

Obrigada pela visita. Gostei do que li e voltarei.

7:49 da tarde  
Blogger GarçaReal said...


Há sempre algo em nós que desconhecemos e que nos impulsiona a tomar certas atitudes e seguir caminhos que nem imaginamos.
Daí haver sempre no nosso íntimo aquela espera do desconhecido que acontecerá a qualquer momento.

Muito bom

Bjgrande do Lago

3:48 da tarde  
Blogger Graça Pires said...

Todas nós nos reconhecemos um pouco na poesia de Natércia Freire, nesta " A tristeza de ser quem em mim não conheço"... Obrigada pela partilha.
Abraço.

7:44 da tarde  
Blogger Sonhadora (RosaMaria) said...

Meu amigo

Um poema muito profundo. Adorei ler, mesmo sem conhecer a poetisa.
Deixo um beijinho e agradeço as palavras de apoio e carinho que me adoçaram o coração e me ajudaram a voltar.
Sonhadora

9:37 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home