segunda-feira, fevereiro 17, 2014

O RELÓGIO

Corda, ponteiros, numeros, _ e tanta
Coisa lá dentro !  Finas rodas de aço !
Ao seu comando, débil de cansaço,
Ora a gente se deita, ora levanta.
    
A voz do tempo !  Sossegada canta
Imperturbável, dominando o espaço.
Nova manhã desperta no regaço
Da noite, como surge a flor na planta. 
    
O Passado, o Presente sempre iguais !
O mesmo giro sempre, sempre... Aquela
Pontualidade que não pára mais !
    
Já não te ouço sequer !  Nem sinto o mundo !
Vai-se-me a vida sem eu dar por ela ...
Um segundo... um segundo... outro segundo...
              Cabral do Nascimento

4 Comments:

Blogger ⊰✿⊱France ⊰✿⊱ said...

Je viens te dire bonsoir un peu tard mais je ne suis plus grand chose en ce moment
J'espère que tu as passé une belle journée
A bientôt

5:36 da tarde  
Blogger La Gata Coqueta said...



Mantén los ojos fijos en las estrellas
y la esperanza floreciendo en el corazón,
mientras los sueños que persigues
se adhieren al seno de la ilusión…

Te envío un abrazo desde la distancia
con la mano puesta en los sentimientos,
para desearte un magnifico miércoles!!

Atte.
María Del Carmen


9:41 da manhã  
Blogger Graça Pires said...

A voz do tempo no relógio com passado e presente e promessas de futuro.
Abraço.

2:01 da tarde  
Blogger M D Roque said...

O tempo, esse tirano que nos leva a reboque.
Gostei dos blog e muito dos poemas.
Beijo. D

www.acontarvindodoceu.blogspot.pt/

11:42 da manhã  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home