terça-feira, abril 01, 2014

CAIR DO ALTO

E ficou com as mãos pousadas no teclado,
Esquecida, a cismar num mundo de riqueza:
Supunha-se num baile; um conde apaixonado
Segredava-lhe: "Adoro-a!... Eu mato-me, marquesa!..."

Ah! se fosse fidalga!... Ao menos baronesa...
Que baile! que esplendor na noite de noivado!...
Estremeceu, nervosa, achou-se na pobreza,
E o piano soltou um grito arrepiado.

Absorvida outra vez, prendeu-se-lhe o sentido
A mesma ideia __ o luxo. Ia comprar cautelas...
E imaginou de novo o conde enfurecido...

Um palácio, um coupé, esplêndidos cavalos...
Nisto o marido entrou, de óculos e chinelas,
E miou com ternura: "Anda aparar-me os calos."
Garcia Monteiro
1859 - 1913

4 Comments:

Blogger Graça Pires said...

Um soneto muito bom e a mostrar que a vida é quase sempre bem diferente dos sonhos.
Abraço.

12:58 da tarde  
Blogger ⊰✿⊱France ⊰✿⊱ said...

Je viens te dire bonjour et j'espère que tu vas bien et que chez toi le soleil est là bonne journée

11:39 da manhã  
Blogger Sônia Brandão said...

Bom receber a tua visita em meu blog.
Bom também apreciar a poesia por aqui.

Um abraço.

9:44 da tarde  
Blogger Sónia M. said...

A vida nunca é o que se sonha...
Muito bom!

Grata pela visita.
Bom fim de semana.
Abraço

10:52 da manhã  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home