sexta-feira, outubro 18, 2013

HORAS MORTAS

O burgo dorme... Só, tristonha e feia,
Anda no ar a sombra, a velha harpia.
E decerto de nada se arreceia,
P'lo modo como tudo encara e espia.

Mas, de repente, vem a lua cheia
Rasgar os véus da noite escura e fria,
E agora cai a jorros nesta aldeia
Luz tão brilhante que parece dia.

Espavorida, a sombra foge, voa
Nem sei p'ra onde. Ao longe ainda soa
O ritmo estrangulado de quem chora...

Depois, como gentis e bons irmãos,
O luar e o silêncio unem as mãos
E vão bailando pela noite fora.

César de Frias

2 Comments:

Blogger Elvira Carvalho said...

Gostei. Especialmente da imagem do luar e do silêncio a bailar de mãos dadas.
Um abraço e bom fim de semana


9:02 da tarde  
Blogger *¨* France❤✿ said...

Bonjour DANSER la nuit oui et regarder la lune quel beau programme bise

9:00 da manhã  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home