terça-feira, julho 02, 2013

FONTES

Fontes silenciosas,
misteriosas fontes dos caminhos:
sempre a gotejar água e segredar penas,
a pedras e a passarinhos;
sempre tentando atrair,
para o seu pequeno mundo,
o passo do pegureiro,
a inércia do vagabundo.


Fontes sombreadas,
ptareadas fontes dos jardins:
sempre a abundar de flores,
de suspiros, de olhares;
sempre a vibrar de ardores
e de invisíveis querubins.


Correm ali, num murmúrio as águas,
as juras e as mágoas
dos entrelaçados pares:
porque os amantes e as fontes
andam a esconder, a medo,
a mesma pena, o mesmo segredo...


Sérgio Frusoni

2 Comments:

Blogger Cristina said...

Gracias por tu encantadora vista a mi sitio, te dejo un fuerte abrazo!

11:48 da tarde  
Blogger mariam said...

Muito interessante poema! Parabéns pela escolha.

Beijinhos e saudades de por aqui pass(e)ar :)

mariam

6:17 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home