sábado, junho 15, 2013

POSTERIDADE


«Vede, Ninfas, que engenhos de Senhores,
O vosso Tejo cria, valoroso,
Que assi sabem prezar com tais favores»
Luís de Camões

_Mundano a quem favores o mundo tem,
Que breve é a tua glória. Por final,
Teu festejado corpo de mortal,
Em silêncio, co'a terra ajusta bem!

Humano deserdado em todo o bem,
Que não no génio teu, em que um caudal
De Amor, de altura, de ânsia, de ideal,
Favores de eternidade já contém!

Diversos andais, nas voltas do destino!
Aquele a quem o mundo entoa um hino,
Ao mundo o cala o baque dum caixão;

Aquele a quem a terra não merece,
O Porvir, juiz justo, o enaltece
E a clara voz lhe atende por lição.
Maria Antonieta Fernandes
Correio do Ribatejo, pag. 12, de 12/06/1998

3 Comments:

Blogger tulipa said...

Que saudades de visitar
o seu blogue e ver tudo
o que tem para nos mostrar;

Durante muitas semanas,
umas 5 talvez
"tentei" aceder
à sua página
mas, infelizmente INCOMPATIBILIDADES informáticas
não me permitiram...

HOJE tudo mudou...
Fiz outra tentativa e consegui, finalmente!

Espero que me visite
e veja a minha ida a LOURDES.

CONFESSO

que, também EU

fui em busca

de algum sinal de conforto

e de benevolência divina,

nesta minha visita a LOURDES.

Um abraço.

5:52 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Hum... acho que tenho que dar umas voltas por aqui... e passear com atenção entre os textos que tens postado...
Beijo

Alice

10:25 da tarde  
Blogger elvira carvalho said...

Passei amigo. Como quase sempre encontrei um poema de uma autora que desconhecia.
Um abraço e bom domingo

12:52 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home