domingo, março 09, 2008

XOSE LOIS GARCIA

ABRILSONETOS
Soneto nº 29

Non sei que dicir de tanta cousa
non sei que dicir de tanta ruina
dese corvo que no corazón apousa
e dun pombo refuxiado na retina.

O tempo chega coa morte extenuada
poñendo un paréntese ao meu riso
nunha esperanza que chega alterada
por eu dicir o que outro non dixo.

Seara de centeo aínda non medrado
vestixio iluminando outro repouso
pálidas espigas sen o corpo amado.

Corpo que levou o que nunca trouxo
na inclinación dun sol retardado
no mesmo piar dun fúnebre moucho.


Xose Lois Garcia

http://www.xoseloisgarcia.com/

26 Comments:

Blogger Olhos de mel said...

Oie lindinho! Esse poeta não conhecia. Mas gostei muito do poema, ainda que tenha achado triste.
Bom final de semana!
Beijos

5:37 da tarde  
Blogger muxica said...

Gracias, amigo por dejar un poema tan bueno. Puedo confesar que no lo conocía.
Fue un placer descubrirlo desde tus letras.
Un abrazo

10:10 da tarde  
Blogger Fernanda Papandrea said...

bonito poema!

beijos

12:09 da manhã  
Blogger Nyki said...

Hola

Gracias por tu comentario,y por pasarte por mi casa,eres bienvenido!!

Muy bonita poema!!

Tengo un regalito para ti y para tu blog en mi casa.

Feliz fin de semana

Nyki

12:24 da tarde  
Blogger Martinha said...

O tempo pode ser um factor preponderante no decorrer das coisas...

Beijinhos *

2:54 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Muito obrigada, Manuel.
Gosto este poèma,mas nao conhece
"Xose Lois Garcia"?
Bom fim de semana.
Cristina

8:38 da tarde  
Anonymous cõllybry said...

Não conhecia este belo soneto...

Meu doce beijo deixo

10:51 da tarde  
Blogger Alice Matos said...

Olá, Manuel...
Mais um belo poema... pena que o meu espanhol não me permita entender o que desejaria...

Deixo-te a sugestão "Ícaro"... acompanha-me há anos...

Um beijo...

10:16 da manhã  
Anonymous Luisa said...

Todos os dias descobres umnovo poeta. Este pelos vistos é "novo" para todos os que te visitaram hoje. O poema é belo! Agraadeço a visita que fizeste ao meu blog. A D.Carlota Joaquina era uma linda mulher, não era????

8:10 da tarde  
Blogger elvira carvalho said...

Um belo poema, de um poeta galego pouco mais velho que eu.
Uma boa semana
Um abraço

9:36 da tarde  
Blogger Gerardo Omaña said...

Estupendo poema que llega y enternece.
Gracias por tus deferencias y por tu apoyo en los comentarios que permiten el estimulo.

Un abrazo en tu alma.

4:16 da tarde  
Blogger tita coelho said...

Obrigada pela visitam em meu blog...vim conhecer o teu! Não conhecia esse poema, e achei belo demais, apesar de ser triste!
beijos

6:35 da tarde  
Blogger BETTINA PERRONI said...

Gracias por esas flores que has puesto como detalle al 8 de marzo...

Por otro lado, siempre un honor conocer poemas de este calibre que siempre invitan a la reflexión.

Muito obrigada amigo :D

9:51 da tarde  
Blogger MªJosé M. said...

Non sei que dicir!

Belas palavras para falar de cruas realidades, quantas vezes passando-nos ao lado...
Tempos em a que as searas não eram ( e ainda não são)luminosas, capazes de mitigar a fome, de calar a lágrima - de curar feridas das guerras entre os Homens.

:::::::::::::

Nao sei que dizer!
A nao ser que essas flores ...
Gostei de ver.
Pelo Dia Internacional da Mulher.
Discreto e singelo gesto.
Bem -Haja

Um Abraço

2:18 da manhã  
Blogger Andreia do Flautim said...

Um a boa semana para ti!

9:22 da manhã  
Blogger sónia said...

"Não sei" o que dizer de tão fantástico poema...;) o abril é isso mesmo...um abrir portas a uma esperança sempre vivida!

beijo

11:00 da manhã  
Blogger Carla said...

é fúnebre o piar do mocho, mas é de uma beleza enorme este poema, de um poeta que não conhecia

1:26 da tarde  
Blogger Ecos... said...

Um poema triste, mas não deixa de ser menos belo!

Obrigada, pela tua incansável partilha com quem te lê!

Um beijo de amizade...

Maria

3:21 da tarde  
Blogger katina said...

Manuel:
Primero disculparme por no responder tus letras , pero estoy con un problema en el computador y perdí mi maravilloso traductor que tenía guardado.
No he podido escribir en portugues , espero me entiendas un poquito.
Te dejo un abrazo cariñoso y que tengas un lindo fin de semana.

12:51 da manhã  
Blogger fgiucich said...

Todo llega, inexorablemente. Una pequeña joyita. Abrazos.

9:47 da manhã  
Blogger Jacinta said...

Poema bonito.
Triste, mas bonito.
Um abraço
Jacinta

10:52 da manhã  
Blogger Dalva M. Ferreira said...

Lindo poema,obrigada por dá-lo aos nossos olhos. Um abraço brasileiro.

1:01 da tarde  
Blogger LuzdeLua said...

Belo poema.
Passando deixo um abraço amigo.
Bjs

7:19 da tarde  
Blogger BETTINA PERRONI said...

Bello.... Me encantó!.

Sabes?, muchas veces el quedarse callados es la mejor opción.

Beijos Manuel! :)

1:13 da manhã  
Blogger mariam said...

Olá
"saltitei" por aqui...e, gostei...
gostei de conhecer um pouquinho da escrita de «Xosé Lois García», vou querer conhecer mais... o poema pareceu-me escrito em Galego, conheço pouco mas aprecio alguma música da Galiza, com fortes raízes Celtas...deixo-lhe exemplo.
ah! e obrigada p`la visita.
«UXIA»
http://www.youtube.com/watch?v=jT08nXnkkok

http://www.youtube.com/watch?v=UVUFja4LcHc

um sorriso :)

11:31 da manhã  
Blogger freefun0616 said...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,

3:51 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home