sábado, abril 11, 2015

REGRESSO

Minha aldeia, voltei! Avé Marias...
Teu crepúsculo de oiro até parece
que me canta , e me embala, e me adormece,
a florir a amargura dos meus dias...

Como a urze das tuas serranias,
poeta aqui nasci, sem que o soubesse...
E aqui __ visão de estrelas e de prece __
vi meu primeiro amor, quando me vias!

Minha aldeia, voltei! __ Anoiteceu...
Sobre o meu coração, como num ninho,
estendes a asa d'oiro do teu céu...

E ele dorme e sorri __ o abandonado! __
como dorme e sorri um passarinho,
sob a asa da mãe agasalhado...


Bernardo de Passos

2 Comments:

Blogger Graça Pires said...

Um poema que me remeteu para a minha infância na aldeia do meu avô...
Gostei imenso.
Um beijo, amigo.

11:49 da manhã  
Blogger Elvira Carvalho said...

É sempre uma bênção, voltar ao local da nossa infância.
Gostei do poema.
Um abraço e bom Domingo

1:56 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home