sábado, março 28, 2015

SONETO


No me mueve, mi Dios, para quererte*
el cielo que me tienes prometido,
ni me mueve el infierno tan temido
para dejar por eso de ofenderte.

Tú me mueves, Señor, muéveme el verte
clavado en una cruz y escarnecido,
muéveme ver tu cuerpo tan herido,
muévenme tus afrentas y tu muerte.
.
Muéveme, en fin, tu amor, y en tal manera,
que aunque no hubiera cielo, yo te amara,
y aunque no hubiera infierno, te temiera..

No me tienes que dar porque te quiera,
pues aunque lo que espero no esperara,
lo mismo que te quiero te quisiera.

.Anónimo

2 Comments:

Blogger Graça Pires said...

Um belo soneto tão próprio da semana santa:
"Tú me mueves, Señor, muéveme el verte
clavado en una cruz y escarnecido,
muéveme ver tu cuerpo tan herido,
muévenme tus afrentas y tu muerte."
Beijo.

3:57 da tarde  
Blogger CÉU said...

Olá, Manuel!

Embora não compreenda, satisfatoriamente, a Língua espanhola, dá para perceber que se trata de um magnífico poema/soneto em que Deus é a sua âncora, e a Ele lhe dedica todo o seu amor.
Aproxima-se a semana santa, e para quem é católico, como eu, sentimos já o peso da cruz, e a alegria da ressurreição. Páscoa é passagem.

Bom fim de semana

6:55 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home