sábado, novembro 22, 2014

PRAÇA DE CASA FORTE

           para José Rodrigues de Paiva

Neste lago afogou-se a minha infância,
À sombra dessas árvores morri ...
Hoje, um espelho afronta as minhas ânsias :
Minha imagem me diz: nunca te vi !
     
Dói-me o agreste amor por esse verde
Que dentro do meu peito diz adeus.
E eu digo adeus como quem não sente
na vida que passou e se perdeu !
     
Ó praça, fogo verde pela tarde,
Quero queimar-me aqui onde tu ardes
Por entre os beijos longos dos casais ;
     
Quero deixar-me aqui, raiz e fronde,
Deitado sobre a grama que foi ontem,
Inutilmente verde, sombra em paz !...
      
                               Paulo Gustavo 

5 Comments:

Blogger Fá menor said...

Muito sentido!

Bjs

11:52 da manhã  
Blogger Elisabete said...

Palavras fortes e sentidas!
Bom fim de semana

5:37 da tarde  
Blogger Graça Pires said...

Um soneto em que a memória do poeta nos traz as inúmeras recordações de um tempo que foi...
Muito belo.
Beijo.

7:31 da tarde  
Blogger Hanna Xesco said...

Bonito lleno de sentimiento.

4:26 da manhã  
Anonymous Obat Vimax said...

I like it this blog information, thanks for sharing

4:40 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home