quarta-feira, outubro 24, 2012

POEMA DOS TEXTOS

Dobrados sobre os textos
    deslizam devagar o dedo indicador
    nas brancas entrelinhas.
    A ruga entre os sobrolhos denuncia
    o concentrado esforço.
    São séculos de leitura, perseverante e atenta,
    que os lábios em silêncio reproduzem
    e as barbas com tremuras sintonizam.
    Chegado ao fim, o dedo retrocede
    e regressa ao princípio,
    de novo sublinhando o texto, cauteloso.
    Pára na dúvida, e o rosto se confrange
    no sempre nebuloso entendimento.
    Onde se lê «cordeiro» não é cordeiro;
    onde fala em «pastor» não é pastor;
    e o grão que foi cair na berma do caminho,
    pisado pelos pés e comido p´las aves,
    não era grão, nem existiam aves,
    nem os pés o pisaram, nem sequer
    o caminho existia.

    O mistério persiste, emoliente e arteiro,
    p´ra que vendo não vejam, e ouvindo não entendam.

    Que significará o pão, o vinho, o peixe, e escorpião, a cinza?

    Que significará «meus amados irmãos»?

    Que quererá dizer «amai-vos uns aos outros»?

    Antonio Gedeão

7 Comments:

Blogger La Gata Coqueta said...



Te dejo este manojo de letras en el umbral de la esperanza,
para que te saluden con la voz del trovador
acompañando tus anhelos, que vuelan hacia las estrellas
en busca de quimeras…

¡¡Un feliz fin de semana
Alimentando satisfacciones!!

Atte.
María Del Carmen




1:29 da tarde  
Blogger Ángel Azul said...

Mucho tiempo sin pasear por los blogs pero tu presencia se hace notar por lo que te agradezco. Te dejo mi fb y mi abrazo
https://www.facebook.com/candy.gambino

4:28 da tarde  
Blogger La Gata Coqueta said...



Despierta a un mundo de dulces sensaciones
Y construye una nueva semana de felicidad,
Cabalgando entre las emociones que acarician ilusiones
Filmando el horizonte con la pupila enamorada
De quienes aman el rocío que nutre cada espora de vida…

Un abrazo de guirnaldas
Y un beso de esmeraldas.

Atte.
María Del Carmen





5:15 da tarde  
Blogger Lúcia Bezerra de Paiva said...

Aqui, é celeiro de grandes poetas.
Mas, o maior mérito, é a do grande divulgador...

Obrigada, Manuel, pela partilha.
Um beijo,
da Lúcia

11:58 da tarde  
Blogger La Gata Coqueta said...



Palabras e ideas que brotan del techado como un susurro, siendo tan dulces que se asemejan a un beso...

El que te emvío en este instante, para felicitarte e fin de semana y seguir cultivando en armonía la semilla de la cordialidad, que se alimenta del rocío de las estrellas…

Atte.
María Del Carmen





3:50 da tarde  
Blogger tulipa said...

Interessante poesia!

Obrigado pela partilha.

Infelizmente tenho um problema grave nos olhos que,
me está a privar de fazer o que mais gosto:
ler, fotografar, visitar blogues e deixar comentários e mesmo fazer posts nos meus 3 blogues.

Aqui há uns tempo mostrei olhares lindos sobre o Douro e as suas margens...

Agora fui até Vila Praia de Âncora, Moledo, Caminha, Vila Nova de Cerveira e Valença do Minho...

Beijinhos

Bom fim de semana.

12:37 da tarde  
Anonymous Menina Marota said...

António Gedeão... como gosto ler para além das suas metáforas!
Um abraço e grata pela partilha

2:33 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home