terça-feira, junho 23, 2009

BALADA DO DOMINGO TRISTE

Chove.
A tarde doente vem dizer-me
Das suas queixas e das suas dores.
Os móveis e os seres inanimados
São testemunhas.
Também sobre eles cai,
Trazida pela luz desta tarde sombria,
A tristeza das vidas sem destino.
Mas não n'a sentem
E é bem melhor para eles.

Abrem-se as portas do palácio negro
Que existe dentro de mim.
Luzes vermelhas
Soltam-se no ar,
Mas, ao chegar ao negro das paredes
Logo se apagam.
Vitrais alacres tingem sóis doirados,
Riscos de cor alagam os tapetes,
Mas tudo se desfaz.
E o meu leito
_ A única brancura
Que se distingue nesse inferno escuro _
Roça carícias na minha alma doente.
E tudo morre, quando entra em mim.
A maldição destas paredes negras
Semeia esquifes no lagedo frio.
Há ilusões emparedadas vivas...

Dos visitantes, um enlouqueceu:
Foi o Amor.
Canta, por noites longas de arrepios,
canções estrídulas,
Dissonantes, álgidas.
Outro, o Desejo,
Corre, alucinado,
Lançando-se aos vitrais,
Despedaçando as carnes pelas grades.
Quer ir tocar as formas
Das nuvens sensuais;
Aspirar os perfumes
Da luz que aqui não vive.
Quer morder rochas
Lívidas, abruptas,
Até sentir o sangue
(a espuma dos rochedos)
A escorrer-lhe pelas faces,
Das chagas de oiro e sal.

Sentamo-nos à mesa.
Um alto candelabro
Que ilumina todos,
Dá ao grupo o aspecto
Dum sonho de escultor.
Parecemos perdidos na Sala do Infinito.
Eu presido ao banquete.
As iguarias vêm,
E os meus Instintos,
E os meus Defeitos e Virtudes,
E a legião faminta dos meus hóspedes
Começa a devorar
O meu corpo transido.

E o festim continua...

No candelabro as velas vão morrendo.

Senhor, se até a Fé me abandonar
E a Esperança me não der
Mais uma esperança _
O que será de mim ?!

Fazei que, ao menos, eu não entre mais
Neste palacio de paredes negras.
Prefiro abandonar o meu país
_ O Pensamento
E ver apenas o que o meu corpo vê.
Não recordar nem saber o caminho
Deste palácio
Onde me mora a alma.

Chove.
As coisas físicas ficaram
Na serenidade, apáticas,
Indifirentes.
Também eu queria ser
Apenas um objecto inanimado;
Assim como o cinzeiro
Aonde apago
O meu cigarro !
Barro vidrado
Todo branco e azul,
Com o desenho duma caravela,
E as velas sujas
De cinza morta.
Sem bandeira no mastro,
Sem um porto à demanda...
Cai a chuva lá fora
E ele não sente.

Cai chuva,
Mas
Não é chuva:
São os meus gritos
Que andam pelo ar
E caem transformados
Em tempestades
De lágrimas geladas.
Sou eu pulverizado
Em cinzas líquidas,
Fagulhas de incêndio
Que anda em mim.
Sou eu universal,
Em labaredas
Num fogo frio
De ventos a atear.

Chove...
Não, não está a cair chuva.
Sou eu,
Que estou a chorar.

Carlos Santelmo

18 Comments:

Blogger Menina do Rio said...

E queixa-se a tarde
e que a ouve?...

Esta balada está muito de acordo com as minhas tardes frias de domingo chuvoso

Beijo pra tu, Manu

10:25 da tarde  
Blogger Ana Maria said...

Poema tristonho!
Alegra-se seus dias.
Muita luz na sua caminhada.
Beijos no seu coração.

4:20 da manhã  
Blogger Martinha said...

Um ambiente escuro, triste, que contrasta mesmo com a caloraça que se faz sentir nestes dias. xD

Já tinha saudades de ler-te por cá. :P

6:13 da tarde  
Blogger Chris said...

Chuva inspiradora...
bjs
Cristina Fernandes

9:33 da tarde  
Blogger Cecilia said...

Cuanta tristeza en esos versos, pero qué bellos! Saludos!

11:44 da tarde  
Blogger Baila sem peso said...

Os dias são todos quentes ou frios
Os dias são domingos de baladas
Ou são segundas e terças cansadas...
Os dias são de sorriso ou lágrima
e coloca-se a dor na rima...
E coloca-se a vida na fé
e canta-se a esperança
rezando ao Tempo de pé!...
Os dias são Vida, igual a maré
e a Lua enfeitiça a temperança...
Deuses acariciam com mãos de criança

Poesia triste...sentimento assiste

Um bom fim de semana
(Dizem que no Domingo chove por aqui :))
Beijito para ti

1:43 da tarde  
Blogger Alice Matos said...

Quão mais fácil seria sermos apenas o cinzeiro onde se apaga o cigarro... apático... alheio à loucura do Amor e aos gritos transloucados do anfitrião...
Mesmo assim não troco de lugar com ele... triste não saber o gosto dos sentimentos... das loucuras tremendas que dão paladar à vida...
Mesmo daqui... do meu canto... escondida do mundo... atrevo-me a sentir e a acreditar... ainda...

Beijo para ti...

1:47 da tarde  
Blogger Menina do Rio said...

Relendo este poema que diz tanto!

Um beijo pra tu, Manu

5:45 da tarde  
Blogger fgiucich said...

Una balada muy cierta y real. Quién no ha pasado un domingo así!!! Abrazos.

12:24 da tarde  
Blogger Maria Valadas said...

O poema é sublime!

Fizeste uma boa escolha, Manuel.

Parabéns!

Bom fim de semana.

Beijoº

4:10 da manhã  
Blogger mariam said...

Manuel,

é assim, por vezes chovemos por dentro, bem verdade! Mas... também fazemos Sol :)

Gostei muito do poema, que não conhecia ...

deixo uma mão-cheia de cerejas e o meu sorriso :)
mariam

nota:já estava com saudades deste 'Universo' tão especial... mas tive alguns problemas informáticos rsrs

2:44 da tarde  
Blogger Carla said...

uma balada com pingos de chuva...ou serão lágrima?
para dizer que já há post nos "Desalinhos" do lançamento do livro "In-Finitos Sentires"
beijo

4:52 da tarde  
Blogger Dalva M. Ferreira said...

Que melancolia!

11:24 da tarde  
Blogger Ana Maria said...

Uma chuva de lágrimas.
Beijinhos!

3:47 da manhã  
Blogger mariabesuga said...

É preciso inventar a alegria nos dias tristes... ou a serenidade para lhes aceitar a tristeza, sei lá...

Um abraço, Manuel.

12:58 da tarde  
Blogger SAM said...

Maravilhoso, amigo! E o convido para o " banquete" de Marly de Oliveira, no Sam!


Enorme abraço, carinhoso beijo e lindo fim de semama!

1:47 da tarde  
Blogger AnaR said...

Impactante y sin embargo...la tristeza cuanta belleza añade a la poesía.

Un abrazo

5:03 da tarde  
Blogger freefun0616 said...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,

3:34 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home