terça-feira, agosto 01, 2006

CANDIDA E LAURA

Como no tanque de um palácio mago.
Dois alvos cisnes na bacia lisa,
Como nas águas que o barqueiro frisa,
Dois nenúfares sobre o azul do lago,

Como nas hastes em balouço vago
Dois lírios roxos, que acalenta a brisa,
Como um casal de juritis, que pisa
O mesmo ramo no amoroso afago...

Quais dois planetas na cerúlea esfera,
Como os primeiros pâmpanos das vinhas,
Como os renovos nos ramais da hera,

Eu vos vejo passar nas noites minhas,
Crianças, que trazeis a Primavera...
Crianças, que lembrais as andorinhas!...

Castro Alves
escritor brasileiro
N. 14-03-1847 _ F. 6-07-1871
conhecido como o
POETA DOS ESCRAVOS

22 Comments:

Blogger mademoiselle rouge said...

bonito bonito*

A música seria outra, as asneiras as mesmas, as gentes seriam outras, mas a perda seria a mesma.

10:27 da tarde  
Blogger Sonho, Delirio & Fantasia said...

Lindo, sem palavras

beijos

10:38 da tarde  
Anonymous Conchita Machado said...

Poema maravilha...

Beijo
ConchitaMachado

11:07 da tarde  
Blogger Mafalda said...

si te hizo sonreir entonces puedo decir MISION CUMPLIDA..

besos y saludos desde venezuela..

con ayuda de un traductor pude observar tu blog.. es muy lindo lo que escribes..

11:37 da tarde  
Blogger Rô sensualidade said...

Bem lembrado CASTRO ALVES poetas dos Escravos... fazia tempo q nao lia uma poesia dele, Obrigada por me proporcionar esse prazer.
Beijos

12:26 da manhã  
Blogger Musician said...

Não conhecia, adorei conhecer.
Obrigado pela partilha.
Tanto sentimento!

Beijinho*

12:26 da manhã  
Blogger Carina said...

Lindo, tens um grande bom gosto, e a nossa literatura é muito rica, pena que seja pouco conhecida!

1:01 da manhã  
Blogger Miudaaa said...

Lindooo!!!
sempre amei castro alves.
parabéns pela escolha... revela um bom gosto e uma sensibilidade bonita.
gostei.

1:03 da manhã  
Blogger elkinha said...

de proposito hein?
só porque amo de lírios!!!!

=T

3:17 da manhã  
Blogger Anna D' Castro said...

Muito bem escolhido este poema do Castro Alves, grande poeta brasileiro, que escreveu "Navio Negreiro". Parabéns Manuel, vc seleciona muito bem a poesia que publica neste gostoso espaço. Grata pelas suas visitas, seus comentários me encheram de emoção e alegria, ao mesmo tempo, por vir duma pessoa tão sensível, conhecedora e dum compatriota.
Meu carinho pra vc, meu querido, aguardarei sempre suas visitas, será sempre muito bem vindo aos meus cantinhos.
Um Beijo e feliz semana.
Anna

7:05 da manhã  
Blogger Carla Silva said...

Este escritor brasileiro é um dos meus preferidos.
Lindo poema.
Beijinhos.

8:05 da manhã  
Blogger blugaridades said...

Mais um poema muito bonito. Tem um bom dia. beijinhos

8:41 da manhã  
Blogger Xica said...

Ele tem poemas lindos sobre a esclavatura. Parabéns pela escolha

10:55 da manhã  
Blogger Dafne said...

Olá
Castro Alves, grande poeta brasileiro dos finais do século XIX.Baiano, poeta abolicionista e republicano, considerado o último poeta do romantismo brasileiro.

"Quem és tu? Quem és tu? – És a minha sorte!
És talvez o ideal que est’alma espera!
És a glória talvez! Talvez a morte!..." Castro Alves

Um abraço amigo,
Dafne

12:03 da tarde  
Blogger Francine said...

Lindo poema!
Tenho um bom dia!

1:04 da tarde  
Blogger Poemas e Cotidiano said...

Nossa, que lindo!
Os poemas de Castro Alves sao realmente divinos...que saudade de le-los.
Obrigada por essa emocao meu amigo!
Um beijo
MARY

1:12 da tarde  
Anonymous meialua said...

Olá vim agradecer a visita nos meus Fragmentos e conhecer este espaço...

Beijos.

1:35 da tarde  
Blogger Eternal said...

Muito bonito!
Biejinho Lunar

1:52 da tarde  
Blogger alfazema said...

Mais um poema muito bonito. Poeta dos escravos? Versejou para os escravos, para aliviar a sua dor, ou sobre os escravos para nos dar conta do seu sofrimento? Fosse lá como fosse, contribuiu para que esse doloroso sofrimento não mais fosse esquecido e não mais fosse repetido. É bom não esquecer o que foi mau na história. Para que não volte a existir e a causar danos à humanidade.
Beijinhos Manuel e vai aparecendo.

4:33 da tarde  
Blogger Eu said...

simplemente lindo...

7:10 da tarde  
Blogger an ordinary girl said...

Não conhecia este poeta.
É incrivel como algumas pessoas fazem com palavras banais versos tão belos e expressivos.
Obrigada por teres postado este poema, Manuel.

Um beijo.

10:35 da tarde  
Blogger B. said...

élindo de facto.. mas é sempre tão dificil para mim comentar um poema!
*

12:20 da manhã  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home