terça-feira, agosto 01, 2017

Do livro «POEMA DA CIDADE TRANQUILA»

                                  kii
     
Tudo enfim se calou no silêncio do quarto,
E os braços do silêncio, fechados sobre nós,
Embalam nosso sonho e este langue cansaço.
     
O luar já secou no chão junto à janela.
Por detrás da vidraça é mais azul a noite
E nesta paz abranda, enfim, a nossa febre,
     
No meu ombro o teu beijo: a ternura esvaída
Revive em teu olhar quanto a noite levou.
Lá fora amanheceu. Aqui o claro voo
Alto, forte, viril, de quem achou a vida
     
Imagina um oceano e a ilha calma e quieta
Onde a paixão não morre e o amor só deseja
Repetir nossa história, encantada e discreta,
Por toda a Eternidade.
                                 Assim seja! Assim seja!
     
         Luiz de Macedo: n. Lisboa, 1925; m. Paris, 1987..
  
  

 

1 Comments:

Blogger Graça Pires said...

Também digo: Assim seja... Que tranquilidade no poema!
Uma boa semana.
Beijos.

12:48 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home