domingo, março 19, 2017

SONETO (Amor é fogo que...)

Amor é fogo que arde sem se ver;
É ferida que dói e não se sente;
É um contentamento descontente;
É dor que desatina sem doer;
    
É um não querer mais que bem querer;
É solitário andar por entre a gente;
É nunca contentar-se de contente;
É cuidar que se ganha em se perder;    

É querer estar preso por vontade;
É servir a quem vence, o vencedor;
É ter com quem nos mata lealdade.
     
Mas como causar pode seu favor
Nos corações humanos amizade,
Se tão contrário a si é o mesmo Amor?
      
Luís de Camões

5 Comments:

Blogger Dalva M. Ferreira said...

Ah, o amor... E'a coisa mais poderosa que existe, e' quem move o mundo.

7:37 da tarde  
Blogger Franziska said...

La exposición de una situación que al mismo que "encadena" no quiere liberarse, es solo la esperanza la que sostiene esa lucha perdida y desesperada que es vivir un amor no correspondido. En mi opinión, nada es tan hermoso como la amistad correspondida. Alegra, consuela y nunca causa penas.

Puedo decir que estoy contenta de que el amor me haya liberado al fin de sus cadenas.

Saludos cordialísimos. Franziska

8:02 da tarde  
Blogger Ana S. said...

ai o fogo que arde sem se ver e por vezes corroí por dentro mas sem ele nada somos.
Boa semana.

9:44 da tarde  
Blogger Graça Pires said...

Um soneto que sabemos de cor. Belo como só o nosso Poeta Camões sabia fazer...
Uma boa semana.
Beijos.

1:36 da tarde  
Blogger CÉU said...

Camões e a sua lírica maravilhosa!
Obrigada por este momento de lembranças, boas, naturalmente.

Beijos, Manuel!

12:48 da manhã  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home