terça-feira, novembro 05, 2013

FRACTURA

Despedaça esta fractura,
 espiar por ela os meus amigos,
 fechados vários peitos, várias artérias,
 pela máquina morte removidos.
     
 Escritas daninhas: pouca me sinto já
 para expurgá-las! Em lava aluem,
 riscam a lume páginas estremes,
 e um braço na tormenta salienta-se das vagas,
     
 frutífero implanta-se
 no seio do nosso corpo escasso.
 Membro em viço, irmão braço vem
 por dentro semear-nos!
     
      Luiza Neto Jorge      

5 Comments:

Blogger Elvira Carvalho said...

Depois de A Alegria no poema anterior, a tristeza nesta fratura.
Como na vida real. Umas vezes cantando outras chorando.
Gostei.
Um abraço

8:21 da tarde  
Blogger .•♫•. Nancy .•♫•. said...

✿ ✿ ✿ Un petit coucou amical en ce vendredi matin.

MERCI pour ce beau poème.

BISES d'Asie et bonne fin de semaine à toi ✿ ✿ ✿

3:12 da manhã  
Blogger .•♫•. Nancy .•♫•. said...

Je viens te souhaiter un bon dimanche !
Je t'envoie une farandole de BISOUS d'Asie pour toi ✿

6:25 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Fracturas...
fotos rasgadas...
a gente aprende a viver com elas...
mas sempre vão doer...

Beijinho
Alice

12:24 da tarde  
Blogger Manuela Viola said...

Obrigada pela visita no meu cantinho!
Abraço

6:30 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home