domingo, agosto 16, 2009

CHUVA

Bate na pedra e, na vidraça, chora...
Canta na mancha rubra do telhado.
Faz riachos, saltando, rua em fora
Num caprichoso e rítmico bailado.

E a tarde empalidece e já descora,
A tarde se molhou, de lado a lado...
E a chuva, lenta e fria, cai agora
Num dedilhar nostálgico do Fado...

Soa, continua, a sua voz discreta.
Há um perfume vago de violeta
Na casa triste, de cinzentos medos.

E a Hora cai __ mais lenta, mais suave...
Passa, na bruma, o voo de ave,
Sinto a Vida a fugir entre os meus dedos...

Albertina Saguer

16 Comments:

Blogger elvira carvalho said...

E em dia de grande calor que bem sabia uma chuvinha...
Amigo, a festa hoje é no Sexta. Passe por lá e junte-se a nós.
Um abraço e fico à espera.

5:30 da tarde  
Blogger Sophiamar said...

E continuas a divulgar a poesia como sempre o tens feito. Inabalável admirador da mesma, como eu.

Bem-hajas, amigo!

Beijinhos

11:58 da manhã  
Blogger antonior said...

Por aqui passei e quero dizer que aprecio a forma como selecciona a poesia que habita este espaço.

Neste poema a melancolia descreve um bailado habilmente coreografado, ao dedilhar de uma guitarra portuguesa.

Agradeço a sua visita ao meu espaço. Deixei uma resposta ao seu comentário no post "Amor à Poesia" na mesma página em que o fez.

2:42 da tarde  
Blogger SAM said...

Lindo, amigo! Um tanto melancólico....Mas lindíssimos versos. Como é linda a arte da poesia!

Beijos e linda semana.

4:06 da tarde  
Blogger Baila sem peso said...

Lindo soneto sobre a chuva...
escorre dos versos entre dedos
baila fora e rega a uva
chora dentro e lava medos...

na orla da Vida, bruma de segredos...

Boa semana num baile dançando
Com fado traçado a chuva esperando

meu beijinho cantando :)

5:39 da tarde  
Blogger Dalva M. Ferreira said...

Bonito! Vou procurar uma poesia sobre o vento de chuva que eu escrevi, para te mostrar. Eu gostei...

10:15 da tarde  
Blogger Ana Maria said...

Que gostoso uma chuvinha, poeira e calor vão-se embora.
Beijinhos!

3:09 da manhã  
Blogger Cecilia said...

Qué hermosa melancolía se desprende de estos versos! Saludos!

5:14 da tarde  
Blogger Felipe Fanuel said...

Toda Poesia é feita para ser lida em voz alta. Somente assim podemos sentir a vida que n'Ela há.

Creio que a Poesia se faz carne e habita entre nós. Mas a encarnação, ou melhor, a epifania, depende do som. É a hora de os versos ganharem vida.

Um abraço.

7:57 da tarde  
Blogger Felipe Fanuel said...

Faltou dizer: a chuva está aí no poema. Basta deixar os versos cairem como uma gota d'água.

7:58 da tarde  
Blogger fgiucich said...

El fado y la lluvia, una mezcla perfecta. Abrazos.

2:20 da tarde  
Blogger PIER BIONNIVELLS said...

Con notas de penas..
y hermosas melancolias..
tus letras me transportan..
me ha encantado.
Que estes bien.
Abrazos.

10:30 da tarde  
Blogger Julia said...

La lluvia... a veces es nostalgia.
Gracias por tu visita a mi blog.
Saludosss.

3:41 da manhã  
Blogger Ana Maria said...

Aqui depois de muito calor, veio uma chuvinha e trouxe um friozinho.
Beijooosss!

2:58 da manhã  
Blogger AnaR said...

Delicado,lírico y hermosísimo soneto.Bellísimo.

Besos

8:37 da tarde  
Blogger freefun0616 said...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,

3:32 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home