domingo, agosto 12, 2007

O VENTO, O INQUIETO, ERGUEU-SE

O vento, o inquieto, ergueu-se.
Acordou no seu fojo
E veio ver a noite luarenta...
Veio vê-la, e perdeu-se.
Na branca solidão de orvalho e tojo,
Pediu-lhe o coração fúria e tormenta.

Como quem chama por alguém, primeiro,
Como quem berra com alguém, depois,
A voz foi-lhe engrossando pouco a pouco...
Foi de carícia branda a afago inteiro...
De um só degrau foi devorando dois,
Na pressa de quem sobe cego e mouco.

À lua arrepelava-lhe os cabelos;
À terra distendia-lhe a matriz;
Graníticos e míticos castelos
Caíam como frutos amarelos
Roídos na ilusão e na raiz.

Frágeis papoilas dos outeiros,
Torres de santidade,
Tudo o possante abraço derrubou.
Lábios de fogo, sensuais, ligeiros,
Queimavam num segundo a virgindade
Que o sonho põe nas coisas que gerou.

Lágrimas frias pelo chão despido;
Ossos sem carne a reluzir na areia;
Assim a dor no mundo protestava!
Assim se acobardavam num gemido
O vinho do jantar e o pão da ceia,
Enquanto o vento, como um rei, passava!

Porque passava o vento!
Em lufadas de força e movimento,
Era um rapaz alegre a assobiar!
Era desprezo fresco e violento
A brincar com punhais sem se picar!

Ruíam troncos de há quinhentos anos!
Tremiam fragas como flores num prado!
Baliam lobos como ovelhas mansas!
E o vento, surdo como os desenganos,
Desenhava com passos desumanos
A beleza mortal das suas danças.

E zunia!
Sem rei nem roque, universal, corria
Com a vida gelada nos seus braços!
E varria,
Numa alada alegria,
A poeira da terra e dos espaços!

Miguel Torga
nasceu 12/08/1907 fal. 17/01/1995

41 Comments:

Blogger Maria said...

Poemas lindos para os mais diversos gosto.
Parabéns pela selecção.
Maria

11:38 da tarde  
Blogger Koral do Mar said...

Ler Miguel Torga... É um balsamo para a alma!

Obrigada pela partilha.

11:52 da tarde  
Blogger Madalena Barranco said...

Linda poesia, que traz sentimentos de inexplicável nostalgia...

12:21 da manhã  
Blogger Pete said...

A simplicidade das palavras dele dão uma imensa beleza à escrita. Estou a ler "A Criação do Mundo" dele. ( Sou um homem virado para a prosa).

Um Abraço e boa semana.

12:56 da manhã  
Anonymous a.h. said...

Merecida homenagem neste dia.
Uma escolha perfeita, a deste poema.
Entre o grito, a ilusão a inquietude ,,,
do vento,
Alma do Poeta,
verso a verso,
numa dança de palavras
...
Deixo de MIGUEL TORGA:

** CONTEMPLAÇÃO**
(S. Mart, Anta, 30 set.56)

«Num berço de granito,
Com a manta do céu
A cobrir-lhe a nudez
A minha infancia dorme.
Nem bruxas, nem fadas
A velar-lhe o sono.
No mais puro abandono
Do passado,
Respira docemente,
Enquanto eu, inútil enviado
Do presente,
Sobre ela me debruço,
E Soluço.»

Tudo de bom,
abraço,
MJ

1:13 da manhã  
Blogger turbolenta said...

É sempre bom ler o Miguel Torga.
Adoro e dou,por mim, vezes sem fim, com este poema no pensamento:

Súplica

Agora que o silêncio é um mar sem ondas,
E que nele posso navegar sem rumo,
Não respondas
Às urgentes perguntas
Que te fiz.
Deixa-me ser feliz
Assim,
Já tão longe de ti como de mim.

Perde-se a vida a desejá-la tanto.
Só soubemos sofrer, enquanto
O nosso amor
Durou.
Mas o tempo passou,
Há calmaria...
Não perturbes a paz que me foi dada.
Ouvir de novo a tua voz seria
Matar a sede com água salgada.

boa semana

2:24 da tarde  
Blogger O meu mundo said...

Miguel Torga:)
acho que está tudo dito:D

bjinhu e obrigada pela visitinha:D

5:57 da tarde  
Blogger veritas said...

Que magnífica homenagem!

Bjs. Boa semana.

6:38 da tarde  
Blogger Claudia Perotti said...

Excelente!
Beijinhosssss

8:03 da tarde  
Blogger Olhos de mel said...

Quem dera que essa fúria do vento levasse nossas dores, nossas tristezas, os males do coração. Lindo!
Fique com Deus! Boa semana!
Beijos

9:00 da tarde  
Blogger Martinha said...

Um texto excelente.
Miguel Torga... :)

10:04 da tarde  
Blogger Lucía said...

Muito obrigada pela sua visita. Gosto muito do seu blog e uma grande oportunidade de conhecer melhor a poesía portuguesa.
Um abraço.

10:53 da tarde  
Blogger elsa nyny said...

Voltei!!!!
O meu coração espera lá por ti!!!

Beijinhos!!!

11:14 da tarde  
Blogger Sophiamar said...

Haverá poema de Miguel Torga de que eu não goste? De que alguém não goste? Este é o poeta que melhor canta a terra que nos dá o pão.
Beijinhos

9:21 da manhã  
Blogger Zé Ninguém said...

Nem de propósito:

http://absolutamenteninguem.blogspot.com/2007/08/100-anos-detorga-planta-silvestre-mais.html

Menos a propósito:

A menina já aqui dizia qualquer coisinha...Não acha?

http://absolutamenteninguem.blogspot.com/2007/08/esquerdalhas-e-faschizoides-5.html

Grato

1:36 da tarde  
Blogger Kukilin said...

¡Qué bello sería que esa furia del viento se llevara, el dolor las tristezas, las injusticias y nos devolviera el amor.
Besos Manuel

3:49 da tarde  
Blogger Bruxinhachellot said...

De tão belo fiquei sem palavras.

Beijos de lua.

4:26 da tarde  
Blogger Luiza Lisboa said...

Nossa, que lindo texto!
Obrigada pela visita, adorei seu espaço!
A gente se encontra!
Bjos!

6:07 da tarde  
Blogger Alice said...

Belo e forte... como tudo o que escreveu o poeta...
Beijinhos...

7:24 da tarde  
Blogger MJ said...

Belíssima escolha :-)

A Natureza em toda a sua plenitude, como só Torga nos consegue fazer sentir.

Um abraço*

7:27 da tarde  
Blogger Patrícia Lino said...

Miguel Torga.
Melhores. Um dos melhores.

10:41 da tarde  
Blogger Ana R said...

El viento es mi hermano...¿sabias?.

Gracias por tus palabras, por tus atenciones y obsequios---Aquí mi conexión es muy lenta y no puedo entrar siempre que lo deseo.Pero te sigo...de cerca.

Fico bem.

Abrazos

11:11 da tarde  
Anonymous Célia said...

Ola Manuel, tudo bem ?
O vento e o tempo, tudo na alma do poeta. O vento soprar e sempre se renova.
Uma otima noite.
Célia

2:08 da manhã  
Blogger poeta_silente said...

Manuel!
Quantas e quantas vezes, na minha vida, escutei ventos rasgando as dores do meu peito para sentir-me consolada... enquanto, lá fora, rugia um temporal? Quantas e quantas vezes, no zunido da força insensível, coloquei meus sentimentos de solidão e tristeza? Quantas e quantas vezes, pedi temporais em noites de lua cheia? Sonhei tempestades, em tardes de sol? Porque o vento, os raios, a fúria da natureza - tudo isto - era o alívio sonhado para o grito entalado na garganta?
Mas... continuo com vontade de gritar... continuo com vontade de ouvir o vento... da mesma forma que o rapaz: assoviando uma bela melodia... pois que a natureza se encarregara, por ele, de dizer ao mundo seu desconsolo.
Deus te abençoe.
Beijos
Miriam

3:34 da manhã  
Blogger Menina do Rio said...

Eu chamei, berrei, até perder a voz...
E nessa lufada de vento eu vou...

Beijos

5:26 da manhã  
Blogger Kukilin said...

Manuel, vengo a traerte mis besos y todo mi agradecimiento; hoy es mi cumpleaños y quería festejarlo contigo.
Besos, abrazos y sonrisas...

5:27 da manhã  
Anonymous isabella benicio said...

Miguel Torga...Belíssima ventania.
Um beijo, Manuel.

2:00 da tarde  
Blogger Celeste said...

Abriré mis ventanas para que el viento describa su danza en mi interior y despeine mis recuerdos con su silbido. De seguro, también, se llevará aquello que no esté realmente sujeto a mi.

Beso celeste!

6:51 da tarde  
Blogger ©õllyß®y said...

Ando meia ausente...já tinha saudade de te ler...

Vou a saborear este poema...

Doce beijo

7:23 da tarde  
Anonymous anne said...

Lindo Manuel, adorei sentir. Beijos!

8:11 da tarde  
Blogger Natalia said...

Precioso, como todos los poemas que ponés!

Un beso

Natalia

9:35 da tarde  
Blogger fgiucich said...

Paso a saludarte. La verdad que me ha costado bastante entenderlo. Abrazos.

11:49 da tarde  
Blogger Carmem L Vilanova said...

Olí!
Vim agradecer-te imenso a tua visita ao Eu Sei Que Vou Te Amar... espero poder ver-te por lá mais vezes, porque eu por cá virei também... Li e gostei!
Beijos, flores e muitos sorrisos!

1:08 da manhã  
Blogger Candela said...

Me pareceu tão triste, talvez pelo vento, talvez pelo frio, ou pelos tojos.

Melancolia e tristeza.

Beijos

10:14 da manhã  
Blogger Musician said...

Hum, não é dos meus preferidos, mas esta interessante!
Beijos*

12:45 da tarde  
Anonymous Luisa said...

Nunca li nada tão belo como este poema ao vento.

12:58 da tarde  
Blogger Lusófona said...

Vi a reportagem/homenagem do poeta Torga na televisão.

Ele deixou um belo legado!! Escrevia lindamente.
Beijinhos

2:29 da tarde  
Blogger mitro said...

G'nda poeta!

2:50 da tarde  
Blogger Lunna said...

E a nostalgia nos abraça e perturba. Mas o incomodo nem é tanto porque o aconchego em nós mesmos sempre nos é necessário.
Abraços

4:22 da tarde  
Blogger Je Vois la Vie en Vert said...

Vim de propósito para agradecer a tua visita ao meu cantinho verde e fiquei seduzida pelos lindos poemas que encontrei cá. Voltarei de certeza.
Um abraço verdinho

6:30 da tarde  
Blogger freefun0616 said...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,

4:01 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home