domingo, janeiro 22, 2012

TESTAMENTO

Quando eu desaparecer
Dispenso trens ao Paço, e aos vates loas;
Descargas e discursos e coroas,
E os préstitos civis da «idéia nova»
Já minha conhecida;
Que em nada d'isso eu possa achar a vida,
Se tiver de morrer,
Também dispenso a cova,
Se cão faminto me quiser comer.

Ressalvo o coração:
E' para os filhos meus, _ os meus amores;
Para o imenso que de mim ficou;
Para a mulher que me estendeu a mão,
E que, sem condições me quis, e amou,
Que tenha paciência o pobre cão.

Thomaz Ribeiro

3 Comments:

Blogger La Gata Coqueta said...



Borda el pañuelo de tus sueños de mil colores
Y en cada esquina ponle una cinta de ilusiones…

Si se pierden los encuentras
Si se alejan los acercas
Si se van los atraes

No te desveles que se enojarán
Y si se enojan te olvidarás
Que por un momento…
Has sido feliz bordando un sueño.

Un fuerte abrazo hoy desde mi tierra
Bañada por los aromas del Cantábrico.

María del Carmen



6:37 da tarde  
Blogger BlueShell said...

Um misto de ironia e de ternura..
Gostei de ler pela manhã.
Venho também para agradecer o apoi num moment em que a dor me consumia, juntamente com as saudades. Muito obrigada,
BS

7:32 da manhã  
Blogger La Gata Coqueta said...



Me detengo ante tu puerta una y una vez más y te digo: feliz domingo para ti y para todos los que te rodean acercándote la ilusión de vida…

La que nunca te olvida y te lleva en el interior del sentimiento…

Tu amiga María del Carmen


9:57 da manhã  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home