sábado, abril 16, 2011

PIEDOSA MENTIRA

Não podes _ bem o sei _ amar-me. Quando
Aos rogos meus tu acedeste enfim,
Foi porque ao ver-me triste e miserando
Tiveste dó e compaixão de mim.

E os meses vão correndo e vão passando
Neste suplício atroz, que não tem fim:
Tu, o amor que não sentes simulando;
Eu, a fingir que sou feliz assim!

E não obstante, como te agradeço!
São intensas as dores que padeço,
Mas o teu sofrimento é bem maior.

Bendita seja, em toda a eternidade,
A tua boca, que mente por piedade,
E que me beija sem me ter amor!

Campos Monteiro
1876-1934

7 Comments:

Blogger fgiucich said...

Amores piadosos que, al final, termian lastimando. Abrazos.

1:50 da tarde  
Blogger Baila sem peso said...

Soneto de um amor por piedade
compaixão para matar tristeza
uma boca que não fala verdade
mas tem na poesia sua certeza...
enfim...bendito poeta que escreveu
um poema que a beleza ofereceu! :)

Bom domingo
beijinho

9:21 da tarde  
Blogger Amadora said...

O amor é ben fermoso mais ás veces fainos sufrir tanto... E o sentir do amor ben fai esqucer cando sentimos dor. Un beighino.

8:58 da tarde  
Blogger Blogadinha said...

Saber deixar partir, isso sim, amar... e ter amor próprio. Poético, todavia. Bom fim-de-semana!

6:03 da tarde  
Blogger Tamara Queiroz said...

Triste. Muito triste.


Abraço Manuel

2:25 da tarde  
Blogger Parapeito said...

tantos tantos qye preferem viver assim ...
Obrigada pela partilha*
brisas doces

10:17 da tarde  
Blogger © Piedade Araújo Sol said...

tão triste.

boa semana!

9:12 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home