terça-feira, fevereiro 10, 2009

Antonio Duarte GOMES LEAL

DE NOITE

Ele vinha da neve, dos trabalhos
violentos, custosos, da enxada,
cantando a meia voz, pelos atalhos.

A mulher, loura, infeliz, resignada,
cosia junto à luz. O rijo vento
batia contra a porta mal fechada.

Ao pé, havia um Cristo, um ramo bento
e uma estampa a Virgem, colorida,
cheia de mágoa, olhando o firmamento...

Uma banca de pinho, mal sustida,
vacilante aos pés: um candeeiro,
companheiros daquela negra vida.

O homem, alto, pálido, trigueiro,
entrou. Tinha as feições queimadas, duras,
dos que andam com a enxada, o dia inteiro.

A mulher abraçou-o. As linhas puras
do seu rosto contavam já tristezas
de grandes e secretas amarguras.

Tinha chorado muito as estreitezas
daquela vida assim!... Talvez sonhado
um dia com palácios e riquezas!

Ele deitou-se a um canto, fatigado
de erguer-se, alta manhã, todos os dias,
mal voavam as pombas do telhado.

Lá fora, nuvens grossas e sombrias
no pesado horizonte. Ele assim esteve
__ as noites eram ásperas e frias __.

Ela cobriu-o duma manta leve,
esburacada, velha. No telhado
ouvia-se cair, sonora, a neve.

Ela então meditou no seu passado;
no seu primeiro beijo, nas lembranças,
talvez, do seu vestido de noivado,

e nas tardes das eiras, e das danças
às estrelas, e aquela vez primeira
que a rosa lhe furtou das longas tranças;

e aquela tarde, junto da amoreira,
que trocaram as mãos; e na janela;
e quando olhavam juntos; a ribeira;

e quando era tímida e singela...
................................................................
Lá fora, dava o vento nos caixilhos;
não brilhava no céu nem uma estrela.

E, àquela hora da noite, por que trilhos
andariam no mundo __ ela cismava __
nas misérias, talvez, sem rumo, os filhos!...

Ele, na manta velha, ressonava.

Gomes Leal
(1848-1921)

http://pt.wikipedia.org/wiki/Ant%C3%B3nio_Gomes_Leal

12 Comments:

Anonymous Luisa said...

Versos tristes, amargurados, que tanta gente deve sentir na pele.

2:37 da tarde  
Blogger Menina do Rio said...

Quantos sonhos perdem-se nas amarguras!

Quanto tempo não venho te ver, Manu.
Desculpe, mas nem sempre dá

Fica um beijinho pra ti

12:34 da manhã  
Blogger Mαğΐα said...

Um retrato escrito...

1:38 da tarde  
Blogger Dalva M. Ferreira said...

Triste... mas a vida não é só riso.

4:27 da tarde  
Blogger Baila sem peso said...

E de dia a vida assim continuava
magoada...pobre e habituada
só o sol, a luz lhe emprestava...

histórias de vidas sofridas
escritas por poetas de almas sentidas!

Rico em rima :) poético, mas bem triste...a pobreza que de várias formas, ainda existe...

Beijinhos

4:33 da tarde  
Blogger ♥ Ma®iana Camandrelly ♥ said...

Siempre podemos transformar nuestros Momentos !!!!

Gracias por hacer tuyo mi Blog....

4:49 da tarde  
Blogger Concha said...

Surpreendida De Propósito!...
Venho agradecer a sorrir a visita ao meu cantinho.

Um abraço

9:05 da tarde  
Blogger MAR said...

SENSIBILIDAD.
BESOS PARA TI.
MAR

9:48 da tarde  
Blogger Olhos de mel said...

Linda poesia, lindinho! Uma história de vida, triste, mas contada com a maestria do poeta...
Bom fim de semana!
Beijos

10:36 da tarde  
Blogger Paulina said...

Una historia triste que lamentablemente se repite en muchos hogares , la mujer siempre luchadora que deja sus sueños en pos de los que ama y disfraza su pena tras una sonrisa.
Un abrazo grandote y gracias por tu visita :)

4:49 da manhã  
Blogger Ana Maria said...

Um pouco tristonho, mas tudo isso passa.
Beijinhos!

1:45 da manhã  
Blogger freefun0616 said...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,

3:37 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home