quarta-feira, maio 14, 2008

MÃE

OLHA, meu filho, quando, à aragem fria
dalgum torvo crepúsculo encontrares
uma árvore velhinha, em modo e em ares
de abandono e outonal melancolia,

não passes junto dela, nesse dia
e nessa hora de bênçãos, sem parares;
não vás, sem longamente a contemplares:
vida cansada, trémula e sombria!

Já foi nova e floriu entre os esplendores:
talvez em derredor dos seus amores
inda haja filhos que lhe queiram bem...

Ama-a, respeita-a, ampara-a na velhice;
sorri-lhe com bondade e com meiguice:
_Lembre-te, ao vê-la, a tua própria Mãe!

António Correia de Oliveira
1879-1960

7 Comments:

Blogger Martinha said...

Esse poema faz-me lembrar que os nossos familiares mais velhos precisam constantemente do nosso apoio, e não das nossas recriminações.
São sobretudo pessoas altamente respeitáveis.

Beijos *

8:52 da tarde  
Blogger Abril Lech said...

Que nuestros hijos admiren, respeten y cuiden la naturaleza. Porque es el hogar que los cobija. Precioso poema!!!

9:09 da tarde  
Blogger Pérola said...

Sim, a velhice como sinonimo de conhecimento deve ser respeitada.

11:03 da tarde  
Blogger Dalva M. Ferreira said...

O mundo ideal deve ser assim: respeito e amor dos mais jovens pelos mais velhos, e vice-versa. A realidade, entretanto, é diferente. Vivemos dias difíceis no planeta, tanto entre os humanos quanto entre eles e a natureza. Pena.

2:29 da manhã  
Anonymous Magui said...

Ficou ótimo.Bela mensagem em forma de poesia!

5:40 da manhã  
Blogger Vieira Calado said...

Passei para ler um pouco do que aqui nos traz e desejar bom Domingo.

12:44 da tarde  
Anonymous Diego Viana said...

Tocante encontrar este poema aqui. Meu avô o recitava sem parar, toda vez que via uma árvore. E eu nunca soube de quem era. Pois bem, agora sei, muito obrigado!

5:13 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home