sábado, março 10, 2007

PLENITUDE


Vem a chama dum grande sentimento
E o coração incrédulo domina.
Não se vê, não se espera, é uma sina,
Que se decide às vezes num momento.

Em vão quer revoltar-se o pensamento,
É mais forte o clarão: tudo ilumina...
Deslumbra, queima, assusta e desatina
Como um incêndio que se ateia ao vento.

O amor, enfim! o amor, tortura imensa!
Mas que em si mesmo encontra a recompensa,
Quando ignorado, ou mal retribuído,

Pois sabe o coração que não se ilude
Buscando no que sente a plenitude,
Embora morra por o ter sentido.


Maria de Carvalho

21 Comments:

Blogger Farinho said...

O amor é uma espada de dois gumes, se é retribuido, é lindo maravilhoso, é felicidade.
se não é retribuido ou perdido, é tristeza, desilusão, infelicidade, mas como se diz por aí, mais vale amar se sofrer do que nunca ter amado.

Beijocas

12:00 da tarde  
Blogger Felipe Fanuel said...

O amor é sempre pleno. Se assim não for, não é amor.

Um abraço, Manuel!

3:17 da tarde  
Blogger Teresa David said...

O Amor pelo lado triste que nos pode transmitir, nesse frémito da inquietação do sempre querer e temor da perda.
Bjs
TD

4:32 da tarde  
Blogger Menina do Rio said...

O amor... Ah! o amor, essa tortura imensa que a si mesmo recompensa!

Manoel, o poema como sempre foi uma escolha perfeita!

Aparece...

Dei-te um beijo e desejos de um bom fim de semana!

5:28 da tarde  
Blogger Juℓi Ribeiro said...

Manoel:

Belíssimo soneto!
Maravilhosos versos!
Quem não sonhou
com a plenitude do amor?
Beijo.*Juli*

9:11 da tarde  
Anonymous katia said...

Gostaria de receber a sua opinião sobre o tema proposto no meu novo texto "Cinema - a Sétima arte agoniza". Qdo puder passe por lá. Bom fds

9:55 da tarde  
Blogger MalucaResponsavel said...

Quando acabei de ler a palavra q me ocorreu foi: perturbador. bj

2:29 da tarde  
Blogger Cátia said...

O amor é o que nos faz caminhar... é a chama que nos ilumina o caminho... Lindo poema!

Um beijo

3:11 da tarde  
Blogger Paula Negrão said...

Mais um belo texto! ;D

beijoo

3:43 da tarde  
Blogger AZUL said...

El amor suele ser un arma de doble filo... o abre todas tus esperanzas a flor de piel o mata lentamente.

Un biko fuerte!!

5:55 da tarde  
Anonymous Luisa said...

Quando o amor é retribuído é o céu. O amor regeitado é o inferno.

7:31 da tarde  
Blogger belita said...

Hermoso texto Manuel y que cierto. El amor aun pudiendo ser tortura en si mismo recompensa aunque duela.

Um beijo calido amigo.

9:26 da tarde  
Anonymous collybry said...

Amor, tantas vezes nos torna triste momentaniamente...Bjca doce

11:36 da tarde  
Blogger MAR said...

AMOR TORTURA ...CLARO EL AMOR SIEMPRE LLEVA SUFRIMIENTO, NO ES QUE YO LO QUIERA ...ES LO QUE SIENTO
UN ABRAZO
MAR

4:06 da manhã  
Blogger MAR said...

Y GRACIAS POR TODAS LAS FOTOGRAFIAS HERMOSAS QUE ME HAS ENVIADO.
CARIÑOS.
MAR

4:07 da manhã  
Anonymous Jofre Alves said...

Vim timidamente espreitar, e fiquei, como imagina, logo satisfeito pelo que vejo e revejo, está tudo conforme os mandamentos do mais fino gosto e qualidade, como manda “a lei”, com poema tão maravilhoso. Quem sabe fazer blogues assim está de parabéns. Óptima semana.

7:25 da manhã  
Blogger La interrogación said...

¿Por qué siempre nos tortura el amor? Ay, qué cansancio...

8:53 da manhã  
Blogger Sandra said...

É verdade, o amor vem sem pedir licença, quando menos esperamos e demora a ir-se embora...se lhe abrimos a porta. Se o prendemos porém, é o primeiro a saltar a janela e a fugir...Um incompreendido , o amor!...

11:36 da manhã  
Blogger Vera said...

Lindíssimo poema!
Adorei! Foi um momento de plenitude lê-lo!

Beijinhos

4:57 da tarde  
Anonymous naenorocha1@hotmail.com said...

UMA TENTATIVA



Revolva-se o bom do tempo,
Todo silêncio.
Estanque-se os batimentos dos corações,
As pancadas das águas no fim do mar,
Silencie a abelha em sua arquitetura
Dura, dura.
Clareia e o mundo guisa, e faz barulho.
Quando não se emudece com o teu grito.
Tempo para o silêncio,
Ou de uma trégua
Da comoção de se estar vivo.
Vivo e só.
Morto e vivo, uma contracena,
Mentiras reveladas ao vento. Deus,
Feridas sem o vermelho rubro,
Tampa que não cobre a extinta morada.
De vertentes escorra, repúdio
–Tal como acostumaram a morte.

6:28 da tarde  
Blogger freefun0616 said...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,

4:12 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home