domingo, outubro 22, 2006

O ENJEITADO


Ha anos que eu, errante, te procuro,
e talvez já tenha estado ao pé de ti.
Mas o mundo, para mim, é tão escuro,
que até hoje, minha mãe, eu não te vi.

Não sei se ainda és viva ou já morreste,
e se por mim a alguém já perguntaste.
Nem sei se de todo me esqueceste,
e o motivo por que foi que m'enjeitaste.

Com todas as mulheres te confundo,
e não descubro, entre tantas neste mundo,
nem uma que se pareça contigo.

E a esp'rança de sentir teu doce beijo,
vai morrendo junto ao meu grande desejo,
que era ver-te o que afinal não consigo!

António José Brás

23 Comments:

Blogger Poemas e Cotidiano said...

Que lindo e romantico, Manuel!
Amei!
Beijos
MARY

1:46 da tarde  
Blogger Rosmaninho said...

Manuel

Há muitos anos ouvia-se falar dos enjeitados e até conheço um.
Diziam que eram mulheres "da vida" que o faziam...
As razões que levam as mulheres a abandonar os filhos só elas as saberão...

O "Enjeitado" de António José Brás reproduz fielmente o que sentem os filhos.

Infelizmente, existem inúmeras formas de ser enjeitado...

~*Um beijo*~

4:36 da tarde  
Blogger António Caeiro said...

bom resto de domingo... com chuva

5:58 da tarde  
Blogger alfazema said...

E uma lágrima teimosa rolou pela minha face. Tão triste, tão belo, tão real Manuel!Talvez a net o ajudasse a encontrar a mãe e a saber as verdadeiras razões do abandono.Não havia nesse tempo!
Achei muito interessante o comentário que fizeste no Alfazema. Sabes, não me sirvo da net para falar com ninguém e gostava de o saber fazer no sentido de que falas. Tenho conhecimento de pessoas que, assim, encontraram familiares. Não é o meu caso porque sei onde se encontram todos. No, entanto, gostava que me explicasses como posso fazê-lo. Falas de Estoi , por exemplo, e eu moro tão perto!
Manda-me email a explicar, por favor.
Beijinhos

6:28 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Este poema de António José Brás é muito forte!
Deve doer muito não saber quem é a nossa mãe... Mas a vida às vezes leva a que as pessoas tenham de tomar determinadas decisões...

Não sei muito bem o que dizer...

Beijinhos.

8:36 da tarde  
Blogger Lovely_Girl said...

pff..
poema mais que forte!
as palavars encaixam perfeitamente, a emnsagem e trnasmitida de forma objectiva!

gostei!

tens bom gosto

beijo

9:30 da tarde  
Blogger Sandra Cardoso said...

Ser rejeitado pela sociedade dói, mas, aos poucos, habituamo-nos; ser rejeitado por aquela que nos gerou dói e nunca nos conformamos.
As perguntas atormentam-nos diariamente, procurando ora desculpar, ora acusar, ora compreender...por isso, a procura é eterna.
Se um dia a encontrarmos, será que chegaremos a desculpar-lhe o todo perdido em nós?...

Beijinho

9:33 da tarde  
Blogger Andrea said...

MUCHISIMAS GRACIAS POR TU VISITA EN MI BLOG...
CARIÑOS
ANDREA

10:16 da tarde  
Blogger fgiucich said...

El terrible abandono fielmente reflejado en estos versos. Abrazos.

10:57 da tarde  
Blogger Carla Silva said...

Ser rejeitado não é fácil e este poema retrata-o bem.
Beijinhos e uma boa semana.

9:31 da manhã  
Blogger Luisa said...

Quantas crianças se sentirão assim?

11:52 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

O pior dos males de amor é o mal de amor causado pela rejeiçao dos pais.
é uma ferida aberta, uma incompreensão sem fim.
Um poema muito triste!!!

Um abraço,

2:11 da tarde  
Blogger Leticia Gabian said...

Que triste poema, Manuel!
Nem sei mais o que dizer,
então deixo um beijinho pra ti.

3:46 da tarde  
Anonymous pequenita (quando o teu corpo e o meu) said...

Sonhei comigo
esta noite
Vi-me ao comprido
Deitada
Tinha estrelas
nos cabelos
em meus olhos
madrugadas
Sonhei comigo
esta noite
como queria
ser sonhada
Senti o calor da mão
percorrendo uma guitarra
De longe vinha um gemido
uma voz desabalada
Havia um campo
de trigo
um sol forte
me abrasava.
E acordei
meio sonhando
procurando
me encontrar
Quando me vi
ao espelho
era teu
o meu olhar.

Boa Semana....kisssesss by pequenita

5:16 da tarde  
Blogger Darilea said...

Lindo llenarse de poesía a estas horas de la tarde.
Besitos
Gracias por tu visita ;-)

5:29 da tarde  
Anonymous temp_nua said...

Uma procura sem fim.
Lindo e triste o poema, me deu um aperto no peito agora.
Um beijo e fica bem
Temp_nua

6:44 da tarde  
Blogger delusions said...

que soneto tão interessante...essa realidade deve ser muito dura, mas acho que o poema a transmite de uma forma muito real...

bjs*gostei muito...

10:46 da tarde  
Anonymous Mónica said...

Nada deve ser mais penoso que não sentir o amor de mãe. Beijinhos

9:26 da tarde  
Blogger Cecilia said...

muy lindo poema! no cnocía al autor.
Saludos y que tengas un buen fin de semana!!

11:13 da tarde  
Blogger david santos said...

Bom soneto, António Jósé Brás, parabéns.
Ate sempre: david santos "SÓ VERDADES"

1:23 da manhã  
Blogger Inês said...

este poema é do meu pai e tenho curiosidade como foi parar ao seu poder. O senhor esteve no LOUSAL?

11:49 da tarde  
Blogger freefun0616 said...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,

3:02 da tarde  
Anonymous Luisa Brás said...

O autor deste soneto é meu pai.
Nascido a 03-02-1918, faleceu a 14-07-1993.
Foi filho legítimo de um casamento desfeito quando tinha apenas 3 anos e a mãe, de quem não tinha memórias, faleceu 3 anos mais tarde.
A mágoa que sempre lhe conheci encontra-se plasmada neste soneto, que foi publicado num pequeno livro distribuído apenas a amigos pelo que não posso deixar de expressar algum espanto de o ver transcrito neste blog.
Mas sinto-me honrada e agradeço a todos, em meu nome e da minha família, as vossas manifestações de ternura e solidariedade.
ELE ERA MESMO ASSIM!!

1:43 da manhã  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home