segunda-feira, abril 10, 2006

UMA VIAGEM


VIAJANDO

Apetece-me a plagiar Almeida Garrett nas suas “Viagens na Minha Terra”. Só que Almeida Garrett não conseguia fazer o que eu fiz, os seus cavalos não tinham a energia dos cavalos dos tempos modernos. Por compromissos assumidos, é um por a andar cerca das oito horas e quarenta e cinco minutos da manhã. Pelo caminho, fui olhando, mas não encontrei a Joaninha dos olhos verdes, nem ouvi o chilrear dos passarinhos. Passado o limite do concelho de Coruche (fim do distrito de Santarém), é o entrar na quietude do Alentejo . A seguir aos Foros de Vale de Figueira, concelho de Montemor-o-Novo, dez ou mais ninhos de cegonha, sobre os troncos do que foi pinheiros mansos. É um espectáculo para o apreciador da natureza. O tentar cumprir horários, não deu para parar e tirar fotografias.
Já em Montemor foi um olhar para a estação de caminho-de-ferro (desactivada), e mais abaixo apreciar a ponte do comboio, uma autêntica obra de arte. Devo sublinhar que a linha já não existe, não indo além de uma simples miragem.
Apreciando a paisagem circundante, é olhar as magestosas oliveiras, a “rainha” oliveira que dá a azeitona, e que tem uma longevidade invejável.
Lembra-me a adivinha:
Verde foi meu nascimento
Mas de luto me vesti
E para dar lua ao mundo
Mil tormentos padeci.
_O que é?
Resposta: _A azeitona
Em tempos recuados era o azeite que iluminava nas casas humildes, sendo o mesmo colocado numa candeia que tinha uma torcida de algodão.
Mas continuamos a viagem. Também por ali aparece o “rei” sobreiro, árvore imponente que aguenta o clima tórrido do Alentejo e nos dá a sua sombra. Em determinados locais aparece a azinheira, árvore que com a sua bolota, matou a fome a povos primitivos e não só.
Já na Casa Branca, um passar sob a linha de caminho de ferro, tirar uma foto sem sair do transporte, e o continuar da viagem.
Por aí abaixo um reavivar de recordações, de tristezas, de alegrias, de momentos em que quase se foi feliz.
Avancei rapidamente na deslocação, tal qual o pensamento, e eis chegado ao local, zona aprazível e calma.
O convívio que se seguiu foi harmonioso, e criou desejo em todos, que o mesmo se repita.
Depois o regresso, com alguma turbulência (parece viagem de avião), porque foi efectuado pela serra do Caldeirão, boa para penitentes. As imensas curvas não deram hipóteses de apreciar a beleza envolvente, destacando-se as árvores secas, consequência dos incêndios que assolaram a região.
De Almodôvar até final da viagem tudo correu sem problemas.
Gostava que Almeida Garrett me tivesse acompanhado. Talvez ele voltasse a reescrever as suas “Viagens na Minha Terra”.

O viajante

4 Comments:

Blogger Clitie said...

E a menina dos rouxinóis... adorei este texto!

Bjks

10:12 da tarde  
Blogger Poesia Portuguesa said...

Excelente! Gostei muito deste texto.
Já te linkei.

Um abraço e boa semana :)

12:42 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

I have been looking for sites like this for a long time. Thank you! Rent car thessaloniki

1:38 da manhã  
Blogger freefun0616 said...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,

2:48 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home