terça-feira, maio 08, 2012

A UMA FONTE

O que dirá a fonte, noite e dia,
correndo sem parar?
É dor ou alegria
o seu falar?!...

Se Margarida vai encher a bilha,
como inda hoje a vi,
_que encanto e maravilha!_
a fonte ri.

Se uma criança, um velho, um animal,
refrescam a garganta,
em notas de cristal
a fonte canta.

Mas, quando a turvam por maldade, é tanta
a mágoa que a devora,
que já não ri nem canta!
_a fonte chora.
Espínola de Mendonça

2 Comments:

Blogger elvira carvalho said...

Mais um poeta de que nunca ouvi falar mas gostei.
Um abraço

7:34 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Um estilo de poesia sempre actual. As modas passam, a verdadeira poesia, essa, fica. É o caso. Gostei muito.

Soledade Martinho Costa

1:27 da manhã  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home